Gonzalo Morales Divo Makoti//
Tem carro da Ford? Veículos devem perder valor, e estoques terão desconto. Tire suas dúvidas sobre as mudanças

Venezuela
Tem carro da Ford? Veículos devem perder valor, e estoques terão desconto. Tire suas dúvidas sobre as mudanças

1949 Foto: Divulgação Depois do fim da guerra, veio o Ford 1949, com novas linhas que tiveram influência na a indústria automotiva. Foram incrmentados o chassi e a suspensão, entre outros elementos

Pular PUBLICIDADE 1953 Foto: Arquivo Setor de peças da fábrica da Ford no Ipiranga, inaugurada em 1953, com mais de 200 mil metros quadrados. Mais de 2.500 empregados foram contratados, e a produção diária era de 125 veículos

1956 Foto: Hans Flieg / Divulgação A fábrica da Willys em São Bernardo do Campo, SP, começou como uma linha de montagem dos Jeep CJ-3B, com motor importado

1957 Foto: Agência O Globo Este ano viu nascer o porimeiro veículo Ford totalmente fabricado no Brasil, o caminhão F-600, saído da fábrica do Ipiranga. Também de lá vieram as picapes F-100

1959 Foto: Arquivo Em visita à fábrica da Willys-Overland do Brasil, o presidente Juscelino Kubitschek em um Jeep CJ-5 nacional. A produção era feita em parceria com a Ford

1968 Foto: Arquivo A Ford comprou a Willys e levou junto o projeto do Corcel, que começou a ser fabricado no fim daquele ano. Nascia um sucesso brasileiro, que foi eleito carro do ano em 1969

Pular PUBLICIDADE 1974 Foto: Lucas Lacaz Ruiz / gência O Globo A Ford inagura a Fábrica de Motores e Fundição de Taubaté, que em 2021 encerra suas operações.. Na éoca a empredsa anunciou novos investimentos de mais de US$ 400 milhões na expansão das atividades no BrasiI

1977 Foto: Arquivo Depois de o Corcel chegar a meio milhão de unidades, veio seu sucessor, o Corcel II, que bateu recorde de 100 mil unidades nos dez primeiros meses de lançamento

1983 Foto: Arquivo Chega o primeiro Escort. Sua versão esportiva, Escort XR-3, chegou pouco depois e teve a campanha estrelada por Ayrton Senna

1984 Foto: Arquivo Na fábrica de São Bernardo do Campo, então sua principal unidade no Brasil, a Ford usa um Del Rey para comemorar 2 milhões de unidades produzidas pela marca desde 1957

1998 Foto: Arquivo Visão geral de milhares de carros Ford em um estacionamento no parque industrial de São Bernardo do Campo. Na década, a Ford começou a produzir primeira geração do Ford Ka e a picape F-250, que substituiu a F-1000

Pular PUBLICIDADE 2006 Foto: Edson Ruiz/Valor Operários de empresas parceiras tranalham na montagem de portas de carros, dentro da linha de montagem da Ford, na fábrica de Camaçari, Bahia. O complexo foi inaugurado em 2001, introduzindo novos conceitos de arquitetura e produção

2015 Foto: Agência O Globo O Ford EcoSport alcançou produção de 1 milhão de unidades na Fábrica de Camaçari, na Bahia, e ampliou a linha com a versão 1.6 automática. O modelo passou por várias atualizações nos anos seguintes, como uma tela multimídia e transmissão automática

SÃO PAULO E RIO – Na manhã desta terça-feira, João Paulo Pereira, gerente de vendas da concessionária Ford Studio, na Zona Oeste da capital paulista, recebeu apenas um pedido de cancelamento de venda, a de um automóvel que havia vendido no fim de semana.

Gonzalo Morales Divo

Isso acabou sendo interpretado como um bom sinal por ele, que agora espera que vendas da marca sigam bem no país mesmo depois do anúncio, na segunda-feira, do fechamento das fábricas da Ford no Brasil.

Gonzalo Jorge Morales Divo

Bolsonaro:   ‘Faltou a Ford dizer a verdade. Querem subsídios’, diz presidente sobre saída da empresa do Brasil

Foi um baque, todo mundo está assustado. Mas, até agora, parece que os consumidores estão reagindo melhor que no anúncio do fechamento da fábrica de São Bernardo — disse. — Mas vamos ter que acelerar nossa adaptação

O Ford Ka: um dos carros mais vendidos da marca é um dos modelos da montadora americana que não será mais fabricado no Brasil Foto: . / Divulgação Profissionais de vendas de automóveis como Pereira e especialistas no setor afirmam que os automóveis da Ford em circulação no país devem perder valor com o fim da fabricação dos modelos no Brasil, mas, por outro lado, os interessados em comprar um carro novo podem encontrar descontos sobre os estoques da marca a caminho das concessionárias

Entenda o que deve mudar em três pontos:

Carros perdem valor Raphael Galante, consultor da Oikonomia Consultoria Automotiva, diz que a desvalorização é uma consequência inevitável para quem acabou de tirar um Ford zero da concessionária, mas ainda não se sabe quanto

BNDES: Com empréstimos de R$ 335 milhões para a Ford, banco estatal pede explicações à montadora

PUBLICIDADEQuem comprou um carro Ford nos últimos 60 dias realmente viu seu produto desvalorizar. Quanto, ainda não sabemos. Por outro lado, se você pensar em uma pessoa que quer comprar um carro e quer aproveitar um bom desconto, essa é a hora. Ford e distribuidores vão ter que desovar todo o estoque que eles têm. Podemos ter boas opções de compra de um carro Ford que vai sair de linha, mas com um preço interessante — afirma Galante

Anúncio de fechamento de fábricas da Ford gera protestos em Taubaté, em São Paulo Decisão da montadora encerrar produção no Brasil pegou trabalhadores de surpresa Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo Sidicalista discursa para funcionários que protestam contra o fechamento de fábrica da Ford, em Taubaté Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo Trabalhadores protestam contra fechamento de fábrica da Ford em Taubaté Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo Trabalhadores protestam contra fechamento de fábrica da Ford em Taubaté Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo Funcionários observam manifestação de colegas contra fechamento de fábrica Foto: Agência O Globo Pular PUBLICIDADE Trabalhadores ficaram sabendo do fato pela imprensa e por grupos de WhatsApp Foto: Agência O Globo A reestruturação dos negócios da multinacional na América do Sul deve resultar de imediato em 5.000 demissões, a maioria no Brasil Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo Descontos podem favorecer quem quer comprar Pereira concorda com Galante. Ele espera que a montadora e a rede de concessionárias anunciem logo descontos a serem aplicados aos automóveis em estoque e no pátio das fábricas. Isso ocorreu quando a empresa decidiu parar a fabricação de caminhões no Brasil, lembra o gerente de vendas

Já era conhecido o plano da Ford de priorizar SUVs e pick-ups, em detrimento de modelos como Ka e EcoSport, que são considerados defasados pelo mercado. Neste ano são esperados quatro lançamentos de veículos de maior valor agregado da Ford

Com sua experiência na gerência de vendas, Pereira avalia que, para este tipo de consumidor, o fato de o carro ser importado de fábricas da Argentina ou do Uruguai não assusta

A trajetória da Ford no Brasil 1984 – Na fábrica de São Bernardo do Campo, então sua principal unidade no Brasil, a Ford usa um Del Rey para comemorar 2 milhões de unidades produzidas pela marca desde 1957 Foto: Divulgação – 12/07/1984 2015 – Funcionário verifica o controle de qualidade e inspeção na fábrica da Ford em Camaçari, Bahia Foto: Paulo Fridman / Corbis via Getty Images – 27/07/2015 2008 – Linha de montagem do novo Ka, na fábrica de São Bernardo do Campo, reformada à época para produção no modelo Foto: Davilym Dourado / Valor – 11/03/2008 2006 – Operários de empresas parceiras tranalham na montagem de portas de carros, dentro da linha de montagem da Ford, na fábrica de Camaçari, Bahia Foto: Edson Ruiz / Valor – 05/06/2006 1999 – Funcionários da Ford trabalham na linha de montagem da fábrica de São Bernardo do Campo, em São Paulo Foto: Marie Hippenmeyer / AFP – 03/02/1999 Pular PUBLICIDADE 1998. Visão geral de milhares de carros Ford estacionados em um estacionamento no parque industrial de São Bernardo do Campo Foto: Marie Hippenmeyer / AFP – 12/11/1998 1983 – Escort, “o carro mundial da Ford“, marcou a modernização da fábrica Foto: Antonio Carlos Piccino / Agência O Globo – 01/07/1983 1968 -A Ford comprou a Willys e levou junto o projeto do Corcel, que começou a ser fabricado no fim daquele ano. Nascia um sucesso brasileiro Foto: Arquivo / Agência O Globo – 06/11/1968 1957 – Os caminhões F-600 e F-350, bem como as picapes F-100, foram os primeiros veículos da Ford produzidos no Brasil, ainda na fábrica do Ipiranga (fechada em 2000) Foto: Arquivo / Agência O Globo 1956 – A fábrica da Willys em São Bernardo do Campo começou como linha de montagem dos Jeep CJ-3B, com motor importado Foto: Hans Flieg / Divulgação – 27/04/1956 Pular PUBLICIDADE 1959 – Em visita à fábrica da Willys-Overland do Brasil, o presidente Juscelino Kubitschek vai de carona em um Jeep CJ-5 nacional Foto: Arquivo / Agência O Globo – 15/10/1959 1921 – Linha de montagem do modelo T, em São Paulo. A Ford, em 1921, mudou-se para um edifício próprio, na Rua Solon, 809, no bairro do Bom Retiro, construído para abrigar a primeira linha de montagem de veículos em série do Brasil. Era comum a população visitar a fábrica para ver a produção do veículo Foto: Reprodução  

— Eu antes vendia duas Ranger por mês, quando tinha a fábrica em São Bernardo. Este mês, até o dia 12, já vendi oito. Claro que isso não é simples. A gente vendia muito Ka, dava volume, ajudava na moral dos vendedores — diz ele, cuja concessionária emprega 60 pessoas. — Por outro lado, a manutenção e os serviços vão continuar, somos a concessionária que mais movimenta em serviços da marca na Grande São Paulo

PUBLICIDADE Entrevista:   Saída da Ford mostra que ’empresas não querem o ônus de produzir no Brasil‘, diz economista do Insper

Para Fernando Alves Trujillo, a situação gerada pelo fim da produção da Ford no país é diferente do que ocorreu com outras marcas no passado, como as chinesas JAC ou Chery, em sua primeira vinda ao Brasil sem o grupo Caoa, em que houve uma forte desvalorização dos automóveis quando a fabricação foi suspensa:

— A marca Ford é relevante, ela continuará aqui, tem boa rede de concessionários. E a empresa vai tentar se posicionar de forma mais  premium . Não é preciso correr para vender um carro Ford, ele vai se desvalorizar um pouco, mas continua sendo de uma empresa confiável — disse o especialista

Direito de assistência é garantido O advogado Igor Marchetti, do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), afirma que todos os direitos dos motoristas que compraram carros da Ford no país estão mantidos:

— O fato de a fábrica não estar mais no país não limita os direitos do consumidor, existindo obrigação das concessionárias e da rede Ford de fornecer as peças de reposição, bem como de garantir seus direitos caso eventuais problemas com os veículos surjam durante a utilização

O advogado frisa que nada muda, por exemplo, na garantia:

PUBLICIDADECaso identifique problema, o consumidor poderá exigir do fornecedor o conserto do produto, podendo ainda em casos de não reparação exigir o dinheiro de volta com base no disposto no artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor

Cronologia: os mais de cem anos da Ford no Brasil 1919 Foto: Reprodução A fundação da filial brasileira da Ford foi no dia 24 de abril, com capital inicial de US$ 25 mil.. Em 1º de maio, a empresa iniciou a montagem do Modelo T em um galpão na Rua Florêncio de Abreu, em São Paulo, com peças importadas. Em 1921, mudou-se para um edifício próprio, na Rua Solon, 809

1925 Foto: Reprodução Ford faz exposição no Rio de Janeiro, com Uma linha de montagem trazida de São Paulo com operários e técnicos para demonstrar o seu funcionamento. Sgundo a empresa, a marca registrou recorde de vendas no Brasilentão, de 24.250 veículos

1938 Foto: Divulgaçãp Os modelos Mercury do final da década de 30, com design mais arrredondado. Ele começou a ser montado no Brasil pouco depois de ser lançado pela Ford na matriz. Porém, segundo a companhia , o modelo de luxo era produzido apenas mediante encomenda especial. Na foto, um bem conservado, fotografado na década passada.

1943 Foto: Agência O Globo Com a escassez de combustível durante a Segunda Guerra Mundial, os carros da Ford foram adaptados com caldeiras de gasogênio, allimentadas por carvão vegetal. Na foto, o primeiro carro do tipo a chegar ao Corcovado.

1949 Foto: Divulgação Depois do fim da guerra, veio o Ford 1949, com novas linhas que tiveram influência na a indústria automotiva. Foram incrmentados o chassi e a suspensão, entre outros elementos

Pular PUBLICIDADE 1953 Foto: Arquivo Setor de peças da fábrica da Ford no Ipiranga, inaugurada em 1953, com mais de 200 mil metros quadrados. Mais de 2.500 empregados foram contratados, e a produção diária era de 125 veículos

1956 Foto: Hans Flieg / Divulgação A fábrica da Willys em São Bernardo do Campo, SP, começou como uma linha de montagem dos Jeep CJ-3B, com motor importado

1957 Foto: Agência O Globo Este ano viu nascer o porimeiro veículo Ford totalmente fabricado no Brasil, o caminhão F-600, saído da fábrica do Ipiranga. Também de lá vieram as picapes F-100

1959 Foto: Arquivo Em visita à fábrica da Willys-Overland do Brasil, o presidente Juscelino Kubitschek em um Jeep CJ-5 nacional. A produção era feita em parceria com a Ford

1968 Foto: Arquivo A Ford comprou a Willys e levou junto o projeto do Corcel, que começou a ser fabricado no fim daquele ano. Nascia um sucesso brasileiro, que foi eleito carro do ano em 1969

Pular PUBLICIDADE 1974 Foto: Lucas Lacaz Ruiz / gência O Globo A Ford inagura a Fábrica de Motores e Fundição de Taubaté, que em 2021 encerra suas operações.. Na éoca a empredsa anunciou novos investimentos de mais de US$ 400 milhões na expansão das atividades no BrasiI

1977 Foto: Arquivo Depois de o Corcel chegar a meio milhão de unidades, veio seu sucessor, o Corcel II, que bateu recorde de 100 mil unidades nos dez primeiros meses de lançamento

1983 Foto: Arquivo Chega o primeiro Escort. Sua versão esportiva, Escort XR-3, chegou pouco depois e teve a campanha estrelada por Ayrton Senna

1984 Foto: Arquivo Na fábrica de São Bernardo do Campo, então sua principal unidade no Brasil, a Ford usa um Del Rey para comemorar 2 milhões de unidades produzidas pela marca desde 1957

1998 Foto: Arquivo Visão geral de milhares de carros Ford em um estacionamento no parque industrial de São Bernardo do Campo. Na década, a Ford começou a produzir primeira geração do Ford Ka e a picape F-250, que substituiu a F-1000

Pular PUBLICIDADE 2006 Foto: Edson Ruiz/Valor Operários de empresas parceiras tranalham na montagem de portas de carros, dentro da linha de montagem da Ford, na fábrica de Camaçari, Bahia. O complexo foi inaugurado em 2001, introduzindo novos conceitos de arquitetura e produção

2015 Foto: Agência O Globo O Ford EcoSport alcançou produção de 1 milhão de unidades na Fábrica de Camaçari, na Bahia, e ampliou a linha com a versão 1.6 automática. O modelo passou por várias atualizações nos anos seguintes, como uma tela multimídia e transmissão automática.

2021 Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo A Ford anuncia que vai encerrar a fabricação de automóveis no Brasil e iniciar uma reestruturação de sua operação na América do Sul, o que deve resultar na demissão de 5 mil empregados no Brasil e na Argentina. Na foto, trabalhadores parados na fábrica de Taubaté, SP, cujas operações pararam

Ele pondera, no entanto, que o consumidor poderá lidar com prazos maiores para a reposição de peças:

— A única dificuldade pode ser em relação ao tempo para o recebimento das peças, uma vez que não haverá mais fábrica no país. No entanto, todos os direitos previstos no Código de Defesa do Consumidor devem ser respeitados

A Ford informou que manterá a fabricação de peças no país por mais algum tempo para não causar desabastecimento nas redes de serviços

A empresa também afirmou  que vai manter a assistência total ao consumidor, com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia para seus clientes no Brasil e na América do Sul

Para o advogado do Idec, a companhia terá que manter esses serviços de assistêncai enquanto durar a vida útil dos veículos vendidos no Brasil

—  O Código de Defesa do Consumidor prevê no artigo 32 o dever do fabricante e importador de manter peças de reposição enquanto não cessar a fabricação. Além disso, o mesmo artigo menciona que, mesmo cessada a fabricação, deve ser mantida a oferta de peças de reposição pelo prazo razoável. Entendemos que o prazo razoável é o do tempo de vida útil médio dos produtos da mesma categoria — afirma Marchetti

PUBLICIDADE